Diante da atual pandemia do coronavírus, muitas dúvidas podem surgir, assim como diversas notícias falsas (“fake news”) sobre o assunto. Dessa forma, a Farmacon Jr elaborou esse conteúdo para esclarecer o que é o novo coronavírus (também chamado de COVID-19), quais as principais informações que você deve saber a respeito dele e o que é de fato verdade ou não sobre o assunto! Todas as informações aqui contidas foram retiradas de fontes oficiais, como o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde, a OMS.

O que é o coronavírus (COVID-19)?

O coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. Dentre eles está o COVID-19, descoberto na China e que está causando a atual pandemia. É chamada pandemia quando uma doença atinge um grande número de pessoas ao redor do mundo. Entretanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) está tentando evitar o uso desse termo para não causar medo nem sensação de que nada pode ser feito a respeito. Dessa forma, apesar do COVID-19 ter sido declarado pandêmico, isso não muda as ações que a OMS e os países devem tomar em relação ao coronavírus.

Como o coronavírus é transmitido?

A transmissão do COVID-19 se dá pelo ar ou por contato com secreções contaminadas, como: gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro, contato pessoal próximo (beijo, abraço e aperto de mão) e contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

O que é período de incubação? Qual o período de incubação do COVID-19?

Período de incubação é o tempo entre a infecção pelo vírus e o aparecimento dos primeiros sintomas. O período médio de incubação por coronavírus é de 5 dias, com intervalos que podem chegar até 12 dias. Sendo assim, é importante destacar que, mesmo que a pessoa não apresente os sintomas, ela é capaz de transmitir o vírus se já tiver sido infectada. 

Quais os sintomas?

Os sinais e sintomas do coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. No entanto, o coronavírus ainda precisa de mais estudos e investigações para que os sinais e sintomas da doença sejam melhor esclarecidos. Até o momento, os principais sintomas são:

  • Febre;
  • Tosse;
  • Dificuldade para respirar.

Quando devo procurar atendimento médico?

Segundo o Ministério da Saúde, assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Como é feito o tratamento do coronavírus?

Ainda não existe vacina, medicamento ou tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. É indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso, como, por exemplo:

  • Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos).
  • Uso de umidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garganta e tosse.

Como faço para me prevenir?

  • Lave as mãos frequentemente com água e sabão e use álcool em gel sempre que possível. O COVID-19 pode estar em suas mãos e higienizá-las dessa forma matará o vírus. Vale ressaltar que se você não possui álcool em gel, uma boa lavagem das mãos é suficiente para eliminar o vírus. Muitas cidades estão sem estoque de álcool em gel, mas isso não é motivo de pânico.
  • Mantenha pelo menos 1 metro de distância de pessoas que estejam tossindo ou espirrando. Quando alguém tosse ou espirra, são jogadas no ar pequenas gotículas do nariz ou da boca. Se a pessoa estiver infectada por COVID-19 e você estiver muito próximo. poderá respirar as gotículas e ser infectado também;
  • Evite tocar os olhos, nariz e boca não lavadas. As mãos tocam muitas superfícies e podem entrar em contato com o vírus. Uma vez contaminadas, as mãos podem transferir o vírus para os olhos, nariz ou boca e deixá-lo doente;
  • Não está se sentindo bem? Fique em casa. Se você apresentar os sintomas do coronavírus, ligue antes de sair para procurar ajuda médica. Você será orientado da melhor forma pela equipe médica, e isso também irá protegê-lo e evitar a propagação do vírus;
  • Cubra a boca ou nariz com um lenço de papel e descarte-o, ou então com o cotovelo;
  • Limpe e desinfete objetos e superfícies tocados com frequência e/ou compartilhados, como computador, celular, talheres e copos;
  • Evite cumprimentos físicos, como beijo, abraço e aperto de mão;
  • Evite realizar viagens para locais onde sabe-se que o COVID-19 está se espalhando amplamente, especialmente se for uma pessoa idosa ou tiver diabetes, doenças cardíacas ou pulmonares. Essas pessoas têm uma chance maior de pegar coronavírus nessas áreas. 

O que não devo fazer?

  • Se desejar utilizar um medicamento para alívio dos sintomas, não utilize o Ibuprofeno. Estudos sugerem que o uso do Ibuprofeno em pacientes com COVID-19 pode agravar a doença. Ainda não está confirmado, entretanto recomenda-se o uso de medicação alternativa, como Paracetamol, que tem o mesmo efeito. Entretanto, use medicamentos apenas com recomendação médica, nunca por conta própria;
  • Não estoque alimento. Para evitar o coronavírus, muitas pessoas estão indo aos supermercados na tentativa de estocar alimentos e produtos de limpeza. Entretanto, essa prática gera aglomerações e contribui ainda mais para a disseminação da doença. Dessa forma, evite sair de casa sem necessidade;
  • Não procure hospitais e unidades de saúde sem necessidade. Se você não está com pelo menos um dos sintomas característicos do COVID-19 (febre, tosse ou dificuldade de respirar) sair de casa só aumenta o risco de você se infectar com o vírus;
  • Não utilize produtos de ação duvidosa para desinfecção de objetos e mãos, como vinagre e álcoois em gel caseiros. É comprovado que o álcool etílico possui ação desinfetante e antisséptica. Recomenda-se o uso de álcool 70% para higienização de superfícies e também da pele, pois este grau alcoólico (70%) proporciona a desnaturação de proteínas e de estruturas lipídicas da membrana celular, e a consequente destruição do microrganismo. De forma simples, o álcool 70% é capaz de afetar a estrutura do vírus e matá-lo (Fonte: Conselho Federal de Química).
  • Não é necessário utilizar grau alcoólico superior ao indicado (por exemplo, álcool 96%), uma vez que estes podem agredir a pele e terão mesmo efeito que o 70%, ou até efeito inferior. 

Dicas para combater Fake News sobre o COVID-19

Infelizmente muitas notícias falsas acerca do novo coronavírus circulam na internet. Neste sentido, é essencial que tomemos alguns cuidados para não cair nessas fake news. Procure buscar informações sempre em fontes oficiais, como o Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OMS). Evite também acreditar em informações sobre o COVID-19 vindas de mensagens e áudios do Whatsapp e fontes anônimas ou desconhecidas.

O Vidya Academics (uma plataforma de divulgação científica também pertencente à Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, assim como a Farmacon Jr) disponibilizou um compilado com diversas Fake News sobre o coronavírus, todas com as referências de fontes oficiais como a OMS e o Ministério da Saúde. Esse compilado pode ser consultado clicando aqui.

Nosso posicionamento

Nós, da Farmacon Jr  (uma empresa júnior de Farmácia  e, portanto, da área da saúde) vemos como nossa obrigação levar informações verdadeiras para a população diante da pandemia do coronavírus. Dessa forma, a ideia desse conteúdo era trazer informações verídicas sobre a atual pandemia, de uma forma simples e fácil, para que todos os leitores fossem capazes de entender.

Sendo assim, todas as informações contidas nesse texto foram retiradas das fontes oficiais, e podem ser checadas nas mesmas. Se você quer se manter informado sobre a pandemia do COVID-19, aconselhamos que sempre consulte as fontes oficiais, cujos links estão disponíveis logo abaixo. 

Ministério da Saúde

http://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca

Organização Mundial da Saúde (OMS) – Página principal sobre o COVID-19

https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019

Organização Mundial da Saúde (OMS) – Principais perguntas sobre o COVID-19

https://www.who.int/news-room/q-a-detail/q-a-coronaviruses